quinta-feira, 28 de julho de 2022

Tempo

 

Os homens não conseguiriam viver muito tempo em sociedade se não se deixassem enganar uns pelos outros. Uma dessas armadilhas é a contagem do tempo, uma convenção que não se adapta a todos. 

A sociedade criou o controle do tempo objetivo, medido em relógios e calendários, aspirando organizar agendas e encontros. Utilizamos relógios no pulso, nos celulares, nos luminosos das ruas. Somos avisados por alarmes para não atrasarmos ou esquecermos determinados compromissos. Viramos dependentes do relógio. Talvez a melhor expressão nesse caso seja escravos, viramos escravos do tempo.

Algumas pessoas não estruturam seu tempo dessa maneira. Existe um tempo subjetivo, interno, vivenciado. As horas não fazem mais sentido. Não é com o relógio que contam as horas; é com a saudade. Só vivem o tempo que recordam. Não querem ficar com a herança da avó velhinha, querem ficar com a saudade da vovó.

Dependendo da companhia, lugar, circunstância, o tempo pode passar mais rápido ou devagar. Existem momentos que parecem uma eternidade e na verdade duraram apenas segundos. Os dias talvez sejam iguais para um relógio, mas não para um homem.

Não são os longos e lentos anos que nos envelhecem – são alguns minutos. Também não são os anos que nos tornam melhores ou mais maduros. Não é o que o tempo faz conosco, é o que fazemos com o tempo.

- Perceberam?

- O quê?

- O que acabou de passar.

- O que foi?

- Um minuto. Inteiro. Segundo a segundo. Foi um minuto incrível e nem viram ele passar. Acabaram de deixar um ir embora. Tentem compensar nos próximos.

 

 

3 comentários:

  1. Algumas vezes podemos perceber o tempo, outras não. Quando me aposentei, retirei o relógio, e por um ano, me dei ao luxo de não assumir nenhum compromisso social. O único compromisso foi comigo mesma, li muitos livros que não pertenciam ao eixo pedagógico, diretamente ligados ao meu antigo papel existencial. Aos poucos fui redefinindo os meus outros "eus", que haviam sido trancafiados ao longo de minha vida profissional Havia a urgência de manter as necessidades familiares. Hoje assumo poucos compromissos, e só faço, o que o momento permite.
    Aida tenho muitas tentativas de agendamentos familiares, mas isso é outra história.

    ResponderExcluir

  2. Todos os dias quando acordo
    Não tenho mais
    O tempo que passou
    Mas tenho muito tempo
    Temos todo o tempo do mundo

    Todos os dias
    Antes de dormir
    Lembro e esqueço
    Como foi o dia
    Sempre em frente
    Não temos tempo a perder...

    Gostei do assunto e do texto.

    ResponderExcluir
  3. Transforme as horas em tempo e não o tempo em horas.

    ResponderExcluir