quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Perdoar é a melhor vingança


Era um churrasco entre amigos, parceiros há mais de dez anos. Não havia estranhos, um jantar informal de confraternização. Enquanto a carne assava, bebíamos, conversávamos, contávamos piadas, recordávamos aventuras e desventuras vividas conjuntamente ao longo da vida. Lá pelas tantas, fiz uma brincadeira inocente com a filha de um amigo. Disse a ela que talvez ficasse solteira por toda a vida, pois ninguém aguentaria um sogro como seu pai.

Na hora não percebi, mas meu amigo ficou muito chateado. No outro dia, comentou com a esposa que eu havia sido infeliz na brincadeira e não levaria adiante nossa amizade, pois era inadmissível alguém zombar de sua filha e ridicularizá-lo.

Logo que soube, apressei-me em fazer contato e pedir desculpas. Expliquei que talvez tivesse me excedido um pouco no deboche, mas se o fiz, foi por considerá-lo um grande amigo que não se importaria com o gracejo. Jamais imaginaria que aquilo poderia aborrecê-lo tanto e perturbar nossa amizade.


Ele escutou silenciosamente e apenas respondeu que estava tudo bem. O fato é que não ficou tudo bem. Passou a não mais me cumprimentar e, nas reuniões seguintes, se eu estivesse presente, afastava-se. Mais uma vez, voltei a procurá-lo, comentando que seu comportamento havia mudado em relação a nossa amizade e, se o motivo ainda era aquela infeliz brincadeira, sinceramente pedia desculpas. Tratou-me com indiferença, mostrando que qualquer tentativa de conciliação ou harmonia seria inútil.

Inconformado, ainda fiz um último esforço. Apelei para que sua esposa interferisse a meu favor. Outra frustração, ele estava irredutível. Dez anos se passaram e, por ironia do destino, fomos colocados frente a frente. Ele caminhava em uma direção e eu em sentido contrário. Só os dois naquele pequeno espaço de terra. Ao reconhecê-lo fui a seu encontro com um sorriso franco e braços estendidos para um cumprimento afetuoso, mas ele desviou o passo, virou as costas e se esquivou.

Tanta coisa aconteceu depois daquela molecagem do passado: a filha casou, nasceram dois lindos bebês, ele se aposentou, sua mãe faleceu, a esposa se acidentou, o outro filho foi morar no exterior, já trocaram duas vezes de carro, mudaram-se para um apartamento de cobertura. Mas ele não quer ou não consegue me perdoar.

Um mês antes do casamento, Bruno terminou o noivado por email. Não deu maiores explicações, rompeu, desligou o telefone e sumiu. Enxoval comprado, festa marcada, convites na rua. Sandra, a noiva, ficou sem chão. Um mês depois, ele posta uma foto no facebook apaixonado por uma colega de trabalho. Sandra ficou perplexa com o desrespeito. Além de perder o chão, agora perdeu também a cabeça e a consideração por Bruno, desejou matá-lo e com a mesma faca, cortar o pescoço da outra. Dez anos se passaram, Sandra esta casada e feliz, Bruno casou e descasou algumas vezes. Toda vez que se encontram, ambos desviam o olhar e fingem que não se conhecem. Não se perdoaram.

Não entendo quase nada de leis, mas parece-me que depois de passado certo tempo de um homicídio (entre 8 e 20 anos), se a Justiça não julgar e condenar o assassino, o crime prescreve e não há mais punição. A sociedade admite que depois de um tempo mais ou menos longo, seja possível suspender o castigo e perdoar o malfeitor. Mas isto é a letra dura da lei quem diz, será que nosso coração funciona e sente dessa maneira?

Os livros ensinam que perdoar vem do latim perdonare, junção de “per” com “donare”. O prefixo “per” indicando movimento em direção de, e “donare” significando doação. Doar é mais do que dar, é a entrega total. Assim, perdoar quer dizer doar ao outro a possibilidade de também se doar. Perdoar seria doar amor e permitir que a pessoa objeto do perdão também conseguisse devolver um amor que até então, só negara. Perdoa-se na medida em que se ama.

Assim como a Constituição, esta definição fica muito bonita no papel, mas por que meu ex amigo, Sandra, Bruno, Maria, João e tantos outros não perdoam? Talvez até tenham pensado em perdoar, engolir o orgulho, a raiva e a tristeza. Pensaram, leram, ouviram conselhos, tentaram, mas não conseguiram.  O coração não ficou em paz. Pobre coração, ainda sente dor, ainda ama errado.

Às vezes a razão, a espiritualidade, e até mesmo a religião perdoam, mas o coração ainda sangra. Outras vezes, a hemorragia estanca, mas ainda dói. Quando nos machucamos porque levamos um encontrão, no inicio a dor é aguda, muito forte, depois vai aliviando lentamente até passar. No entanto, ainda assim, pode restar, bem lá no fundo, um ponto nevrálgico, que se tocado, volta a doer. Perdão genuíno precisa envolver analgesia total e permanente. Não dói a mente, nem o coração, tampouco a alma.

Perdoar não significa desculpar ou eliminar a culpa. Quem errou, falhou, pecou, continua com a autoria do deslize. Desculpar também não muda o que aconteceu. Bruno vai carregar para o resto da vida a responsabilidade por aquele email, assim como eu lembro até hoje das consequências daquela brincadeira.

Perdoar também não é esquecer, são coisas muito diferentes, no entanto, bastante gente confunde. Perdoar não trata de tirar da memória um fato doloroso. Querendo ou não, recordações voltam a nossa mente, não possuímos amnésia seletiva. Diferente do que muitos imaginam, perdoa-se para manter viva a memória do mal praticado, e não para esquecê-lo. Sem o perdão, a memória seria dolorosa, e por vezes, insuportável.

Perdoar é o reconhecimento de que houve uma falha e que existe a disposição para que não ocorra novamente. Assim, perdoar significa lembrar o incidente, no entanto, jamais cobrar da pessoa perdoada a divida.

O que se perdoa não é o ato praticado, e sim a pessoa que o cometeu. Perdoar não é uma defesa do pecado, tampouco evita que tudo aconteça novamente. Perdoar é a constatação da humanidade do pecador, igualando-o comigo. Assim como ele falhou, também eu poderia ter falhado. O fato de eu não cometer aquele erro em particular, apenas torna o erro dele distinto dos meus. Não sou mais virtuoso ou melhor que ninguém.

Muitos, ao invés de perdoar, partem para a desforra e dão o troco. É mais fácil. Perdoar é um processo lento, revidar é instintivo. Aparentemente condenação, castigo e vingança acalmam os nervos. Antigamente pecadores eram enforcados, queimados ou apedrejados em praças públicas. A multidão delirava com a punição e retornava para casa silenciosa e satisfeita. A ordem estava restabelecida. O castigo adormecia a consciência coletiva e ilusoriamente reparava a culpa do transgressor.

A consciência só adormecia, não absolvia. O coração só sossegava, não perdoava. A dor, o ressentimento, a raiva eram anestesiados, não prescritos. Logo aconteceria um despertar e uma necessidade de procurar outro bode expiatório para ser sacrificado em nome da grandeza e retidão dos repressores ofendidos.

Talvez os seres humanos se vinguem mais que perdoem. Talvez esqueçam mais que perdoem. Talvez perdoem mais por fraqueza que por virtude ou vontade. Talvez perdoar seja somente para os deuses. Para nós, humanos, talvez só caiba errar, tentar consertar e, se possível, não repetir o erro.

Errei na brincadeira com o ex-amigo, tentei consertar, não consegui. Mesmo assim, perdoei-o por não me perdoar. Entendo suas dificuldades, solidarizo-me com ele. Não sinto mais dor, mas meus sentimentos não foram anestesiados. Sinto saudade daquela amizade que me era tão cara. Sinto vontade de lhe dar um abraço apertado. Sinto leveza por ter perdoado. Sinto muito. Perdoar é a melhor vingança.

48 comentários:

  1. Texto singular e muito significativo! Parabéns amigo!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei Dr Ildo! Desejo que o seu amigo leia o texto e lhe procure. Um abraço bem apertado! E o recomeço da amizade de vocês. beijo

    ResponderExcluir
  3. Ildo, existem várias formas de perdão. Como saber o motivo pelo o qual isso magoou tanto este amigo. Poderia o amigo ter se reconhecido em tua fala? Reconhecer a própria verdade nas falas de outrem, muitas vezes é doloroso. Para alguns o afastamento é a melhor maneira de perdoar, não lembrar daquilo que possivelmente o tenha magoado, e por vezes, esse amigo tenha feito longas reflexões do que lhe foi dito. Penso que o perdão, só pode ser dado, a quem quer ser perdoado. O arrependimento é algo que vem dos valores que cada um carrega em sua vivência em relação ao próximo. Quanto ao Bruno, o que falar... Não teve coragem, teve medo, não queria ver a pessoa chorando, muitas são as possibilidades de ter agido dessa forma. Como saber o que vai na alma humana, se ela mesma, não nos revelar. Adorei este texto.

    ResponderExcluir
  4. Perdoar...conseguimos realmente de fato perdoar alguém quando lá no fundo da alma não restar nenhuma rusga do acontecido..quando os dois puderem se olhar nos olhos e rirem o sorriso puro ...talvez,para nos humanos que tanto pensamos e tiramos as conclusões dos fatos ocorridos com a vantagem própria sem entender o porquê do comportamento do outro seja realmente impossível...o que é uma pena...as pessoas seriam mais felizes se pudessem se abraçar e expressar o sentimento puro sem mágoas

    ResponderExcluir
  5. Desculpar é para Deuses! Não perdoo e nem desculpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bacana o texto, acredito que vai de cada um e cada momento o perdão. Meu namorado mentia, traia, mentia, me enrolava mesmo, foi pssando o tempo e eu pressa num relacionamento doente. Me libertei e não perdoo, alias prefiro nem cruzar com ele e se cruzar viro a cara. Mel

      Excluir
  6. “Perdoar não é esquecer”.

    ResponderExcluir
  7. Tudo bem que o cara não queria mais casar mas vai decidir 1 mês antes...ela esta mais do que certa em virar a cara! Quanto ao seu amigo acho que não era tão amigo, vai ver você colocou a amizade num pedestal mas estava mais para um banquinho ...

    ResponderExcluir
  8. Resolvi me amar não perdoo mais! Bato a porta na cara, atravesso a rua, bloqueio nas redes sociais, viro a cara. Não perco tempo com quem não me valoriza ou não quer ser meu amigo. Não mendigo Amor! Bruna

    ResponderExcluir
  9. Puxa Sr Ildo quem tem um amigo assim tira de letra qualquer inimigo.

    ResponderExcluir
  10. Quem já não passou por isto??? Hj nem dou bola!

    ResponderExcluir
  11. E DURMA-SE COM UM BARULHO DESSES!

    ResponderExcluir
  12. Nem me venha com pedidos de perdão, não perdoo!

    ResponderExcluir
  13. A melhor vingança é o desprezo! Não olho mais na cara! Enterro vivo! Bia

    ResponderExcluir
  14. Acho que perdoar uma vez, ainda vale. Mas perdoar a segunda já é burrice. Vamos falhar um dia, precisamos pensar assim. Só um dia, só um perdão. Parabéns Ildo, cada vez melhor. Andressa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem assim, ficar correndo atrás igual a uma trouxa, perdoando..perdoando..Burrice é pouca!

      Excluir
  15. Vixxxi que amigo mais mala o seu! Foi ao encontro de braços abertos.. eu nocauteava ele! Se fosse meu ex amigo!

    ResponderExcluir
  16. A difícil arte de perdoar!

    ResponderExcluir
  17. Acho que se você precisa perdoar é porque foi magoado e se foi magoado melhor sair fora.

    ResponderExcluir
  18. Sr Ildo fantástico! Grato por partilhar seus conhecimentos. Marco

    ResponderExcluir
  19. Quem perdoa muito...acaba se dando mal

    ResponderExcluir
  20. Não acredito mais no perdão! As pessoas não são verdadeiras mentem, traem e enganam. Uma pena. Ana aquela que não ama!

    ResponderExcluir
  21. Tudo acontece no tempo certo, até o perdão.

    ResponderExcluir
  22. Concordo o ser humano se vinga mais do que perdoa!

    ResponderExcluir
  23. Perdoar é para Deuses...sou mais da vingança! Bem vingada ! Não gasto minhas energias perdoando. Desprezo, deleto,bloqueio...

    ResponderExcluir
  24. Um amigo eu perdoo..um amor jamais !

    ResponderExcluir
  25. Complicado..se vc perdoa parece que é fraco e babaca. Se não perdoa precisa saber lidar com a perda. Toni

    ResponderExcluir
  26. Sr Ildo curto seus textos. Parabéns Virgínia

    ResponderExcluir
  27. Tem gente que fala quem ama perdoa! Mas não é bem assim depende de tanta coisa. O importante é estar em paz consigo. Vanusa

    ResponderExcluir
  28. Perdoa-se na medida em que se ama. Que perigo para aqueles que amam demais!

    ResponderExcluir
  29. Me traiu com outra durante 2 anos. Quando descobri, pediu perdão e disse que ia acabar com tudo e deixá-la. Eu o amava loucamente. Dá pra perdoar? S.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só se quiser ser traída de novo. A vida é feita de escolhas! Vai em busca de quem te valoriza! Vai te amar loucamente primeiro.

      Excluir
    2. PRECISAMOS TER CUIDADO COM O AMAR LOUCAMENTE ACABAMOS NOS MACHUCANDO.

      Excluir
    3. Bom amiga só você pode avaliar se vale a pena. Eu daria mais uma chance até porque você ama loucamente. E não tem coisa melhor do que ser louca por alguém. Vai que ele toma jeito! Perdoa !

      Excluir
  30. Caro Ildo, este seu ex amigo é um babaca mesmo, ninguém ia querer ele como sogro. Vai ver a filha casou pra fugir da casa do pai. Ah, se ele ler isto não vai me perdoar também. Kkk. Anderson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Babaca mesmo nem merecia ser citado num artigo.

      Excluir
  31. Larga ele! Você merece mais! 2 anos Jesussss

    ResponderExcluir
  32. Traição, infidelidade não se deve perdoar. É como uma tatuagem que se faz. Você pode até tentar retirar ou colocar algo pra diafarçar, mas sempre vai ficar aquela marquinha. E tem aquela máxima, traição se cura com traição. Acredite quem quiser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa que perigo !!!

      Excluir
    2. Não concordo em pagar na mesma moeda. Muito baixo. Saiu do relacionamento com classe e sigo minha vida. Paula

      Excluir
  33. Concordo mas quando você ama loucamente nem pensa nesta possibilidade, nem olha para os lados rsrsrs

    ResponderExcluir
  34. Perdoar é muito complexo quando você pensa que é a melhor vingança. O outro fica na tua mao! Não entende o que aconteceu. Duda

    ResponderExcluir
  35. O fraco jamais perdoa: o perdão é uma das características do forte.

    Mahatma Gandhi

    ResponderExcluir
  36. Como cobrar dos outros que me perdoem??? Fazendo uma meia culpa e estando com meu coração, minha alma tranquila... procurando cuidar para não magoar e não ficar magoado por coisas banais... viva e seja feliz.

    ResponderExcluir
  37. O importante é saber a hora exata de sair fora, talvez a mágoa seja menor. Aline

    ResponderExcluir
  38. Nunca me perdoei por haver perdoado um idiota que me fez chorar varias vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também passa por isso!

      Excluir