terça-feira, 16 de dezembro de 2008

FESTAS DE FINAL DE ANO - RISOS E LÁGRIMAS


Estamos chegando ao final de mais um ano. Será que é só isto , apenas mais um ano que daqui a pouco chegará ao fim? 2008 sai do calendário e entra 2009? Não, não foi só mais um ano, foi um ano diferente. Queda das bolsas, bancos quebrando, recessão, desemprego. Alguns vão aproveitar as oportunidades, outros vão afundar. Apesar disto, o mundo vai seguir girando, a vida continua, não foi a primeira crise na história da humanidade, e o sol vai continuar nascendo e se pondo como acontece há milhões de anos.

E com você, como foi o ano? Tem algo para comemorar ou vai festejar apenas porque o péssimo ano está terminando e quem sabe o próximo seja melhor?

Festas podem ser alegres para uns e tristes demais para outros. Podem ser uma ótima oportunidade de comemorar com parentes e amigos, mas não é assim para todos. Alguns sequer tem família, ou estão longe delas; outros se angustiam só de pensar em dar uma trégua em suas vidas sofridas, se comportar com falsidade, cumprimentar pessoas, fingir que está tudo bem, trocar presentes e dizer clichês do tipo “que seus sonhos se realizem”.

Talvez festas de final de ano não representem nada para alguns, que simplesmente jantam um pedaço de pizza assistindo televisão, dormem e na manhã seguinte, quando o sol nasce, suas vidas continuam como sempre foram. Para outros, talvez natal e ano novo representem muito, mas nunca tiveram tempo ou quiseram parar e pensar no porquê deste sentimento, e todos os anos repetem automaticamente o mesmo ritual. Isto os deixa felizes, ou quem sabe nem tanto...

Festas de final de ano são ótimas oportunidades para comemorarmos mas também para nos enganarmos e iludirmos.. Comendo e bebendo até cair mas prometendo iniciar o regime na manhã seguinte, resolvendo fazer uma mudança radical a partir da virada da meia noite, fazendo votos de amor, combinando viagens... 95% das resoluções da noite da festa são apagadas com a ressaca da manhã seguinte.

A necessidade de conjugar felicidade, alegria, prosperidade com a mudança de calendário pode ser fonte de ansiedade, depressão, angústia e até mesmo medo, terminando por estragar a festa de todos. Quando buscas, sonhos e metas não foram alcançadas ao longo do ano, alguns aproveitam a êxtase da festa e desesperadamente fazem promessas para o ano seguinte.

Já começam endividados. Mudanças não acontecem somente porque são desejadas, é preciso comprometimento. Ao longo dos dias a determinação pela promessa vai se esvaindo, acaba-se voltando a velha rotina e quando se vê já passou mais um ano. É natal de novo, festas, comemorações e lá no fundo aquela sensação ruim de não ter conseguido se repetindo mais uma vez. Ficou devendo.

Ao se aproximar esta época do ano, alguns desejam ardentemente as festas, enquanto outros as temem. Alguns anseiam pelas ceias, outros se preocupam com as dietas; alguns recebem presentes, outros contabilizam dívidas; alguns sorriem, outros choram.

Talvez um velho adágio popular possa nos ser útil nestes dias: “o que engorda não é o que se come entre o natal e o ano novo, mas o que se come entre o ano novo e o natal”. O mesmo vale em relação a promessas: “o que for plantado entre o ano novo e o natal, será colhido e comemorado na semana entre o natal e o ano novo”. Festas são para colheita, não para dívidas. Inicie o ano trabalhando, não prometendo.

Você tem vontade de mudar em 2009?
Leia mais no site: www.ildomeyer.com.br
.






Nenhum comentário:

Postar um comentário